Follow by Email

terça-feira, 27 de março de 2012

DA SÉRIE EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO I

Muito tem se falado de mobilidade aqui em Recife, como imagino em todo o país.
Algumas ações tem sido feitas e surtido algum efeito. Com a retirada de várias conversões à esquerda na Abdias de Carvalho, o trânsito tem fluido um pouco melhor. Ainda não é o ideal, mas  melhorou alguma coisa.
Mas pouco efeito estas ações terão se não formos mais educados no trânsito.

Comecei a ter o hábito de registrar os motoristas mal educados no trânsito. E olha que muitos "flagras" passaram batido porque não tive como tirar a foto.

Certa vez o motorista parado no sinal à minha frente jogava cascas de mexerica pela janela ( o que temos que reconhecer, jogar lixo pela janela dos carros em Recife é muito normal, infelizmente, seja carro mil, ou carro importado...tem pra todo gosto). Pisquei o farol pra ele abrindo as mãos. Ele 'feliz' começou a atirar pela janela jornais velhos, e todo lixo que o lixo do carro dele acomulava, abrindo as mãos em seguida, como quem diz: e daí? Esse aí, além de mal educado, é desequilibrado né?
Educação: zero. Vergonha -1. Equilíbrio: Inexistente

Ontem o trânsito estava péssimo no Derby, o que também não é novidade. Uma ambulância com a sirene tocando e os motoristas começam a abrir para esquerda e direita deixando uma pista no centro da rua para que ela passasse. E não é que uma senhorinha apressada acelera fundo e vem atrás da ambulância?
Mas os motoristas tiveram compaixão não...fecharam pra ela. Merecia uma multa pra ver se aprende né. Nem idoso tem prioridade neste caso, viu vovó?

Como esperar educação dos motoristas? O que fazer para que possamos mudar?
Multa tem resolvido pouco pelo visto, pq Recife é fábrica de multas.
É a consciência de cada um. E como sensibilizar para que haja uma mudança coletiva? Não sei, quando tentei, foi pior...a rua teria umas cascas de mexerica apenas, mas acabou com toneladas de jornais...kkkk
Eis ai alguns flagrantes:
. Motoqueiro na contramão I

. Motoqueiro na contramão II

. Motoqueiro na contramaõ III

. Saindo do restaurante e tendo que esperar o outro cliente terminar o almoço dele pra liberar minha saída. Porque eu DEVO entender que ele não tinha outra vaga pra estacionar que não fechando meu carro. ( E ele sai com cheio de razão achando que não fez nada demais.)



. Saindo de um estacionamento me deparo com o carro parado à minha frente e...ninguém pra empurrar. Aff, lá vou eu, descer literalmente do salto, sujar a roupa e empurrar o carro do folgado.





. Noite, chuva e sempre alguém pra  fechar o cruzamento.


. Não, ele não pode fazer o retorno como um motorista educado, que respeita o trânsito. Ele vem pela avenida e entra de ré na rua, pra poder fazer o retorno...Merece a foto e ir pra galeria dos mal educados!  ( tô gostando desta brincadeira...kkk)


. Nesta avenida a pista da esqueda é exclusiva pra ônibus, mas tem sempre ( muitos) engraçadinhos que trafegam por ela e mais à frente voltam pra pista correta, atrasando mais ainda que está seguindo o fluxo corretamente. Multa pra eles!!!


  

. Você leva uns 3/4 sinais pra chegar sua vez de virar à esquerda mas ele, o folgado, sempre aparece para, além de entrar na sua frente, fechar o trânsito da pista à direita.




. Manifestação por qualquer coisa: Você vai sempre cruzar com uma! Principalmente se você tiver com hora marcada pra um compromisso!




Bom, por hoje é só!
Até o próximo click. Espero que não seja de você..kkk


Bjs
Fabiana


sexta-feira, 9 de março de 2012

Mulher virtuosa, quem a pode achar? Pois o seu valor muito excede ao de jóias preciosas. PV 31.10

Tem certas comemorações que me fazem sentir mais vergonha do que celebração.
Exemplo foi a que aconteceu em Recife pelo dia Internacional da Mulher.

Segundo a matéria de um jornal cujo título era  “ Feministas pedem liberdade e autonomia”, algumas mulheres pintaram seus corpos com dizeres como “ Corpo livre”, “ O corpo é meu e eu decido” e “legalizar o aborto” e saíram marchando pelo centro da cidade.

Sinceramente eu já falei sobre aborto aqui, mas tem coisa que me incomoda demais como mulher.
Gostaria muito mais de ver um movimento feminista que chamasse a mulher a ser mais feminina,  o que não tem nada a ver com frágil e que precise se calar diante da violência que sofre.

Que chamasse a mulher a se amar mais, a se respeitar mais, a não querer ganhar a ‘queda de braço’ que a maioria delas na nossa sociedade insiste em ter com os homens achando que ter o "direito" de SE envolver cada semana com uma pessoa diferente igualdade entre gêneros, que vale a pena brigar pro isso e que por esta escolha deve respeitada.

Sinceramente, alguma mulher acha mesmo que um dia vai conseguir isso? Sinceramente, alguma mulher acha que é isto que a fará ser respeitada, amada e admirada ? Sinceramente alguma mulher acha que ter o direito de sair ficar com quem bem entende gerar um filho e depois se livrar dele como se livra de uma roupa suja que está precisando ser tirada do corpo é adquirir alguma dignidade nessa vida? Sinceramente é isso que chamam de liberdade? Acham mesmo? Isso pra mim é na verdade total falta de liberdade, é uma prisão da alma.

Quem acha sugiro acessar os comentários, de homens e mulheres, das participantes do 12º. BBBlixo, que se envolvem cada semana com um participante diferente na casa. O mais educado que li foi rameira, trepadeira.

E vocês acham mesmo que vão conseguir  ser respeitadas por terem o direito de fazer o que querem com seu corpo?

Desculpem as feministas mas não vejo nada de louvável na causa. Não vejo no que isso trará mais dignidade à nós mulheres.

Isso não é o caminho pra quem quer que seja, nem mesmo para os homens. A sociedade é que anda cada dia de mal a pior, perdendo seus valores, respeito, dignidade. E quanto a nós, mulheres, ao invés de sermos uma voz que clama pra resgatar isso, nos juntamos ao coro que contribui para a degradação cada vez maior do ser humano.
Pedimos, aliás, pedimos não, exigimos o direito de tirar a vida de alguém sem a menor culpa, porque quem manda no corpo sou eu!
O que respeito eu posso exigir se não respeito um filho que eu gerei por escolha minha?

Provérbios, 14:1
"Toda mulher sábia edifica a sua casa; a insensata, porém, derruba-a com as suas mãos."

Pena que nos dias atuais a sabedoria não tem sido uma das qualidades mais vista entre os seres humanos e vamos assim, caminhando a passos largos pra beira do abismo.

Quem dera daqui a um ano, boa parte de nós possamos adquirir uma consciência diferente e vejamos movimentos se manifestando no dia 08 de Março de 2013, convocando às mulheres a voltarem a ser mais femininas, sensíveis, edificadoras de lares e famílias, que se amem e se valorizem mais e acima de tudo tementes a Deus. Se não for por ai, vamos chegar no abismo mais cedo do que se imagina.

Abraços,

sexta-feira, 2 de março de 2012

FAMÍLIA, FAMÍLIA, PAPAI MAMÃE TITIA...? SERÁ MESMO?

 Vi hoje uma matéria sobre dois homens que tiveram uma filha e ganharam na justiça o direito de registrá-la. Dois pais, nenhuma mãe.

A música do Titãs está ficando bastante desatualizada...

Eu respeito  o desejo que cada pessoa tem de constituir uma família. Também os respeito como pessoas, cidadãos, como gente. Mas em tempos em que a nossa sociedade tem mudado tanto valores, costumes, formas de se relacionar, a gente vem sendo atropelado por um monte de novidades e paramos pouco para pensar no que tem vindo por ai.

Acho importante que cada pessoa realmente pare pra pensar e não apenas saia absorvendo tudo como "novos tempos" ou " tempos modernos" porque a gente tá falando de um mundo onde estamos inseridos e tudo isso nos afeta de alguma forma.

Na família em questão, a criança foi gerada por meio de uma inseminação artifical, utilizando o material cedido por um dos pais, o óvulo de uma mulher desconhecida que o doou de forma voluntária e a barriga utilizada para a gestação de uma parente.
É muito louco isso pra mim, sério.

O que é ter dois pais e nenhuma mãe? O que é não saber de quem é o óvulo que a gerou? O que é ser gerada numa barriga emprestada?
Tentei mesmo pensar nesta criança na escola explicando para seus amiguinhos que na festa do dia das mães ela não teria uma mãe presente, porque ela não tem uma mãe. Não, a mãe não morreu. Ela simplesmente não existe, não se tem notícia.

Também pensei quando ela quisesse saber quem era sua mãe, o que iriam dizer a ela.
O amor que os dois pais dizem sentir por ela vai ser realmente suficiente para que estas questões não gerem angústia nela? Ensiná-la a respeitar as diferenças será suficiente?

A gente está mesmo preparado, como sociedade, para entender este novo tipo de família que começa a ser formada?

Estes novos filhos estão preparados para não terem a figura da mãe ou do pai?

Tenho receio que não. 

Com todo respeito à estas pessoas eu imagino o peso da responsabilidade em trazer uma criança ao mundo privando-a de ter uma mãe e  inserindo-a num contexto aonde ela possa vir a ter sérias dificuldades em termos de convivência com os outros e com estas questões.
 
 Até aonde vai o desejo individual de cada um realizar seu sonho da maternidade/paternidade?

Não há mais limites pra nada?

Cada pessoa adulta é responsável pelos atos, caminhos que escolhe traçar pra si, assumindo também as consequências dos mesmos. Mas quando se envolve um terceiro, e aqui no caso uma criança que não teve chance de escolha, o direito em fazer qualquer coisa pra realizar meus desejos prevalece?

Até onde vai nossos limites? Qual é  hoje o nosso ( pelo menos da maioria) conceito de ética, moral, bom senso? 
Não sei responder.
Me fica a sensação que não existem mais estes conceitos. O limite é o meu desejo e disposição em realizar o que eu quero, como eu quero, e quem não vive e pensa assim é desrespeitoso com  o outro, é preconceituoso.

Nem sei como terminar este texto. Não tenho nenhuma intenção de ser uma voz da verdade aqui, convencer quem quer que seja de nada e muito menos em desrespeitar quem quer que seja.

É apenas uma colocação de quem tem observado as mudanças no mundo em que vive e não sabe ao certo que direção é esta que estamos tomando e aonde chegaremos com tudo isso.